sexta-feira, setembro 23, 2011

Iogurtes com Compota




Fazer iogurtes em casa pode parecer um disparate, mas ficam óptimos e podemos fazê-los como quisermos, como foi o caso aqui. Lá em casa toda a gente adora aqueles iogurtes com fruta no fundo, mas além de caros, aquela fruta nunca sabe exactamente ao que devia. Feitos em casa, com compota caseira, além de ficarem significativamente mais baratos, têm um sabor maravilhoso!

Ingredientes (para 7 iogurtes):
1 iogurte natural
1 l leite meio gordo
1 vagem de baunilha
3 c. sopa bem cheias leite em pó
7 c. sopa compota a gosto (usei caseira, de pêssego, abacaxi e cereja)

Misturar muito bem todos os ingredientes, excepto a compota. Em cada copo da iogurteira deitar uma colher de sopa de compota. Por cima, deitar a mistura de leite e iogurte e ligar durante 12 horas (quanto mais tempo a iogurteira estiver ligada, mais consistentes ficam os iogurtes). Tapar os iogurtes e guardar no frigorífico até estarem frios.

Notas:
- Vi em vários sites, por essa internet fora (por exemplo, aqui, aqui, e aqui) que não é preciso uma iogurteira para fazer iogurte, basta um forno ou uma panela com água quente. Nunca experimentei porque recebi a iogurteira de presente;

- Esta combinação de leite meio gordo e leite em pó dá uma consistência muito semelhante à dos iogurtes comprados. O leite em pó dá-lhe espessura, enquanto o leite meio gordo faz os iogurtes mais cremosos. Podem fazer-se os iogurtes com leite magro (já o fiz muitas vezes e ficam bons) e sem leite em pó, mas ficam bastante mais líquidos;

- Como fiz com compota, e essa já é doce que chegue, não acrescentei açúcar ao iogurte, mas pode-se adoçar a gosto. Quando quero fazê-los doces, junto 3 c. de sopa bem cheias de açúcar em pó. Essa quantidade de açúcar faz iogurtes só levemente doces e uso em pó porque se desfaz mais facilmente no leite frio, mas pode-se usar açúcar normal ou, até, adoçante.

terça-feira, setembro 20, 2011

Beringelas Recheadas




As beringelas são um legume largamente incompreendido no nosso país, tudo porque a maior parte de nós não cresceu a comê-las. Ricas em fibras, potássio, magnésio e várias vitaminas, são extremamente saudáveis e, ainda por cima, deliciosas! Quer grelhadas (cortadas em fatias finas, com ou sem pele, uma das minhas formas preferidas de as comer), estufadas, em sopa ou, como sugiro aqui, recheadas.

Este recheio é quase vegetariano, mas esta pequena maravilha presta-se a qualquer recheio que lhe queiramos pôr: outros legumes, qualquer carne, queijo ralado, com molho branco… Adaptem ao vosso gosto e experimentem, não se vão arrepender.

Ingredientes (para 4 pessoas):
4 beringelas de tamanho médio, firmes e sem imperfeições
2 a 3 c. sopa azeite
1 courgette média
1 cenoura média
100 g carne de frango cozinhada desfiada (usei uma perna de frango que sobrou do almoço do dia anterior)
1 ch. molho de tomate (usei este)
50 g queijo parmesão ralado

Aquece-se o forno a 200º e forra-se uma assadeira com papel de alumínio (para facilitar a limpeza mais tarde).

Corta-se uma “tampa” às beringelas, para expor a polpa, e uma tira fina no fundo, para assentarem melhor na assadeira. Com uma colher escava-se a polpa da beringela, deixando cerca de 1 cm a toda a volta, incluindo no fundo. Deve-se ter cuidado para não furar a beringela, o que me aconteceu numa delas porque tive a infeliz ideia de cortar o pé. Desnecessário e contraproducente… Colocam-se as beringelas escavadas, com a abertura para cima, na assadeira forrada e levam-se ao forno enquanto se prepara o recheio.

Aquece-se uma frigideira anti-aderente com o azeite. Corta-se a polpa da beringela em cubos de 1 cm e deita-se no azeite quente. Mexe-se bem para que toda a beringela fique coberta com o azeite. A beringela absorve gordura com uma rapidez incrível, por isso é importante que a frigideira esteja bem quente, bem como o azeite, e que se mexa bem logo que se coloca lá a polpa da beringela.

Entretanto, corta-se a courgette em tiras finas ou em cubos do mesmo tamanho da beringela, e rala-se a cenoura. Juntam-se estes dois legumes à beringela e salteia-se durante 4 a 5 minutos, mexendo bem para distribuir os legumes. Junta-se a carne, o molho de tomate e metade do parmesão, tempera-se de sal e deixa-se ferver.

Quando o recheio estiver pronto, retira-se a assadeira do forno e recheiam-se as beringelas. Polvilham-se com o restante parmesão e vão novamente ao forno mais 20 a 30 minutos, até estarem douradas por cima e com a pele tostada e enrugada. Servem-se com arroz, ou uma salada, ou com o que apetecer. Cá em casa foram comidas mesmo só assim, com pão para molhar no delicioso molho.

sexta-feira, setembro 16, 2011

Tiramisú de Laranja e Gengibre



Este tiramisú foi feito para aproveitar a cobertura destes cupcakes, que sobrou em quantidade abundante. E não se podia deitar fora! Ficou bem doce, porque o sumo de laranja era bem doce, mas estava uma delícia! Uma sugestão fresca para uma sobremesa de fim-de-semana.

250 g queijo mascarpone
4 ovos
2 c. sopa bem cheias açúcar em pó
2 c. chá gengibre fresco ralado
Raspa da casca de ½ laranja
Sumo de 2 laranjas
1 c. sopa licor de laranja ou rum (opcional)
200 g biscoitos de champanhe
Chocolate preto para decorar

Bater as gemas com o açúcar até ficar um creme espesso e pálido. Juntar o gengibre, a raspa da casca de laranja e 1 c. sopa de sumo e misturar bem. Juntar o mascarpone e misturar bem, até que não se notem pedaços do queijo.

Bater as claras em castelo bem firme e incorporar no preparado de mascarpone com uma colher de metal, envolvendo sem bater (usar movimentos circulares, cortando a mistura no meio de cima para baixo e subindo pelos lados, rodando a taça à medida que se vai envolvendo as claras com a colher).

Deitar o restante sumo de laranja num prato fundo e juntar o licor. Molhar metade dos biscoitos nesta mistura e forrar o fundo de uma taça de vidro grande ou seis individuais. Cobrir com metade do creme de mascarpone. Repetir com os restantes biscoitos e creme e levar ao frigorífico até solidificar, cerca de 2 horas.

Na hora de servir, ralar chocolate preto por cima.

Notas:
- Como disse na introdução, fiz com a cobertura de mascarpone que sobrou dos cupcakes, mas estas quantidades são as correspondentes a uma embalagem inteira de mascarpone, que costuma ter 250 g.
- Como fica bem doce, pode-se usar menos açúcar no creme, ou tentar encontrar laranjas mais amargas para o sumo. Tal como está, é uma sobremesa definitivamente para quem gosta de coisas bem docinhas!

sexta-feira, setembro 09, 2011

Sangria Rosé




Ao contrário da maior parte das pessoas que conheço, não gosto de sangria, nunca gostei, por uma razão muito simples: é feita com vinho tinto. E eu não gosto de vinho tinto. E não vale a pena virem-me dizer que o vinho tinto é um gosto adquirido, é um gosto que nunca adquiri e não tenho a menor intenção de adquirir: não gosto e pronto!

 Mas onde é que está escrito que a sangria tem que ser de vinho tinto? A primeira sangria que fiz foi de champanhe, na minha despedida de solteira, e foi um sucesso, ficou deliciosa. Desde então tenho-a feito algumas vezes, sempre diferente, dependendo do que tenho à mão. Há tempos, para acompanhar estas asinhas de frango, resolvi fazer sangria rosé, com uma garrafa de Muralhas rosé que andava perdida no frigorífico há meses. E o que saiu foi isto…

Ingredientes:
200 g morangos, lavados e cortados em quartos
1 nectarina, lavada e cortada em cubos de cerca de 1,5 cm
2 limas pequenas, lavadas e cortadas em quartos
Açúcar
1 dl vodka de manga
0,75 l vinho rosé, gelado
0,5 l 7 Up, gelada

Num jarro grande colocar a fruta, o açúcar e a vodka. Mexer bem e deixar a macerar no frigorífico cerca de uma hora. Juntar os restantes ingredientes, misturar tudo e ajustar o açúcar, se necessário. Servir bem gelada.

Notas:
- Li algures que não se deve colocar gelo no jarro de sangria, para não diluir, deve-se colocar antes nos copos e foi o que fiz.

- Também li, não me lembro onde, alguém que dizia que nunca punha maçãs na sangria porque achava que elas não acrescentam nada. Eu concordo, uso na sangria apenas frutas aromáticas, que acrescentem algo de bom ao vinho. Com a vantagem de se ficar com uma salada de fruta deliciosa no fim;

- Em relação ao açúcar, acabei por usar cerca de 5 colheres de sopa bem cheias – 3 que coloquei logo no início mais 2 que juntei no final, depois de acrescentar o vinho e a 7Up e de provar. Eu gosto da sangria (como tudo, aliás), bem doce, mas penso que é preferível começar com menos e acrescentar mais no fim (como eu fiz). É que o açúcar que se coloca, já não se pode tirar…